Saiba como manter-se calmo em situações problemáticas

Todos nós já passámos por momentos em que foram verdadeiramente um teste à nossa persistência e autocontrole. A pressão no trabalho, problemas no relacionamento, problemas de saúde, e tantas outras causas que podem induzir algum transtorno psicológico, ansiedade, ataques de pânico, incómodo, estresse ou dor emocional. Se eu lhe perguntasse a forma como você se sentiu perante essas situações, você provavelmente responderia que tinha um sentimento de impotência, certo? Mas se eu lhe perguntasse como gostaria de sentir-se em tal situação, você provavelmente diria, calmo e em controle.

Sofrer de ansiedade, ataques de pânico, estresse e descontrole emocional pode ser extremamente penoso, especialmente durante tempos difíceis. Talvez você tenha tomado uma má decisão porque entrou em pânico. Suponha que você poderia ter abordado a situação com calma, não teria sido melhor e mais fácil de gerenciar e não teria sido menos prejudicial em termos físicos e mentais? Embora saibamos o óbvio, é difícil seguir adiante. Ficar calmo quando o mundo está caindo aos pedaços ao nosso redor, pode ser difícil , mas não é impossível.


CHUTE NA DEPRÊ

Apresento algumas formas de como você pode manter a calma, mesmo quando as coisas ficam difíceis:

 

1. Desprenda-se. Se você pode mover-se fisicamente para longe da situação ou o lugar que está a ser o foco do problema, faça isso. Aconselho no entanto, que faça apenas numa situação limite, pois fugir às situações pode também contribuir para o aumento do problema. Partindo deste princípio, afaste-se apenas o tempo suficiente para pensar com clareza e para aplicar alguma das técnicas que se seguem. Você também pode distanciar-se mentalmente do que está acontecendo. Basta agir como se fosse um espectador de si mesmo, como se estivesse a assistir a tudo o que está a experienciar no momento para perceber o que pode fazer perante tal situação. Isso irá ajudá-lo, tanto dissociar-se do estímulo que está causando ansiedade, como a pensar racionalmente. Ao conseguir fazer esse exercício irá também sentir que tem controle sobre o que está a acontecer consigo nesse momento.

2. Deixe as emoções no banco traseiro. O maior problema durante tempos difíceis é que nós tendemos a pensar de acordo com o que “sentimos”, e isso multiplica a sensação de estresse e pânico ou dor emocional. Sempre que você se encontrar em tal situação tente não agir de imediato e de acordo com aquilo que está a sentir. Oriente-se em consciência, deixando que a sua parte mais racional fique no comando das operações, por exemplo, dizendo em voz alta: “Ok, eu estou nessa situação agora, mas eu não preciso de sentir-me assim. Eu vou lidar com isso de forma racional.” E , em seguida, pense numa solução lógica e alinhada com a obtenção do objetivo desejado. Pode auxiliar todo este processo, fazer umas respirações profundas, para que fique mais focado em si mesmo, permitindo que as emoções fluam sem ser afetado por elas. Observe essas emoções e deixe-as deslizar como água numa ribeira. As coisas, tornar-se-ão muito mais claras e você será capaz de concentrar-se na solução.

3. Encontre o seu lugar interior de calmaria. Algumas pessoas acreditam que a respiração profunda pode ajudá-los, enquanto outros gostam de orar ou praticar relaxamento. Tente perceber o que melhor funciona consigo. Mas atenção, não utilize subterfúgios prejudiciais para a sua saúde, como o tabaco, abuso de comida ou álcool, uma vez que só piora a situação a longo prazo.

4. Pratique meditação. A meditação não é sobre ficar sentado num ambiente calmo, é mais sobre treinar a sua mente a estar sob o seu controle. As técnicas de relaxamento ajudam muito nessas situações. Você pode contar de dez a um ou usar o método de visualização onde você se vê mentalmente num lugar agradável, próximo da praia assistindo ao pôr do sol ou em cima de uma área montanhosa coberta de neve. O que importa é que você consiga focar a sua atenção em algo, seja contemplar uma paisagem, uma sensação corporal, ou o fluxo dos seus pensamentos, sem análise ou julgamento.

5. Retire força dos últimos sucessos. Quando foi a última vez que você enfrentou uma situação difícil em que tudo correu bem no final? Encontrar consolo em alguns incidentes passados ​​onde se conseguiu triunfar sobre uma situação adversa pode promover-lhe a esperança. Lembre-se de como você se sentiu naquela época, o quão forte você foi, tente perceber o que disse a si mesmo que o manteve firme na solução do seu problema. Diga a si mesmo que você já passou por uma situação idêntica no passado, por isso com o mesmo tipo de atitude no momento presente você ficará numa posição favorável para superar isso.

6. Pratique atividade física. Cuidar do corpo, saber tirar prazer e satisfação do movimento, do esforço e de todas as experiências agradáveis associadas aos nossos cinco sentidos é promotor de saúde geral. Ao exercitarmo-nos estamos a promover a libertação de químicos no nosso corpo que têm a função de manter o equilíbrio homeostático. Este equilíbrio é perdido sempre que enfrentamos situações estressantes por um período prolongado. A atividade física permite diminuir as hormonas do estresse circulantes na corrente sanguínea, fazendo-nos sentir melhor.

7. Aceite e ventile as suas emoções. Aceitar as emoções não é propriamente gostar de sentir-se mal, ou sobrecarregado emocionalmente. O que importa perceber é que existe determinadas emoções que sentimos em resposta ao que estamos a viver ou à situação que estamos a enfrentar. Se nos estamos a sentir frustrados em relação a algo que não estamos a conseguir realizar, não devemos expressar a frustração de forma a termos uma atitude que prejudique ainda mais o problema. Ao sentir a frustração, devemos aceitar essa emoção como um alerta, como informação sentimental que nos informa que não estamos a ser bem sucedidos. Ao fazer esta interpretação, ficamos numa posição favorável para ventilar a emoção de forma adequada. Não negando a frustração, permite-nos expressá-la de forma adequada. Esta expressão adequada é o processo de ventilar a emoção, até que a frustração passe e possamos retomar o foco para aquilo que mais importa.

 SER HUMANO

 

Emoções negativas, sensações dolorosas, sentimentos pejorativos, sintomas incómodos,
Sou o seu alvo predileto,
Sou responsável e altamente funcional no meu trabalho,
Mas lá vêm as emoções, angústia, decepção, frustração,
Perturbações no sono, cansaço crónico,
Tornam-me reativo, agressivo, tornam-me excessivamente preocupado,
humor depressivo, baixa autoestima,
Perco a minha autonomia, revolto-me, sinto-me esmagado por tudo o que sinto,
O que se passa comigo, o que as minhas emoções me estão fazendo?
Sinto que me corroem por dentro,
Sou eficaz e eficiente nas tarefas que realizo, conheço-as, controlo-as, sou bem sucedido,
Mas quando as emoções avassaladoras me invadem, perco o controle, como se fosse possuído por algo que desconheço,
Estou confuso, aumento a minha tensão, sinto-me atormentado, perdido,
Descarrego nos outros, torno-me insensível aos outros,
Por momentos sinto-me autista, as minhas dores vão-me alienando do mundo,
Sofro por antecipação, estou sempre à espreita do que lá vem, do que pode vir, sinto-me frustrado pelo que não vem,
O que se passa comigo?
A minha cabeça não tem descanso, rumina, escrutina, remexe no passado, alarma-se com o futuro,
As minhas emoções estão gritando, não as consigo proteger e elas ferem-me a alma,
Vivo a reboque dos meus sentimentos incómodos,
Sou alvo incessante dos meus pensamentos negativos,
Sou vitima constante da experiência do meu corpo,
Um corpo em que vivo à anos, que desconheço, desconheço-me,
O que se passa em mim, o que se passa comigo, o que vive comigo?
O que está tomando a minha vida de assalto,
Aprendi a ler, escrever, os sinais de trânsito, conduzo, percebo de tantas coisas,
E de mim?
O meu desconhecimento acerca de mim mesmo tomou-me invadiu-me, sequestrou-me e leva-me a fazer coisas que me prejudicam,
Eu assisto, grito de dor, vou sofrendo, revolto-me comigo, com os outros e com o mundo, tudo parece estar mal,
Pareço não me conhecer, não me controlar, não me orientar,
Falo para mim, mas não me oiço,
Obrigo-me a fazer coisas, mas não as realizo,
Prometo, comprometo-me a mudar, fracasso,
Fico desiludido, iludido, e sofro,
Um sofrimento imenso por desconhecimento de mim mesmo,
Uma vida a aprender, não aprendi a lidar comigo mesmo,
Indigno-me, informação e mais informação para ser bem sucedido profissionalmente e sou um caos emocional,
O que falhou?
Conhecer a condição humana, saber aceitar os meus impulsos, ser assertivo, resiliente, lidar com a frustração, acalmar-me, regular os meus estados internos, solucionar os meus conflitos, saber falar comigo e para mim, compreender e orientar os meus pensamentos, aceitar as perdas, os incómodos, os outros, as opiniões dos outros, saber respeitar, dar-se ao respeito, saber os meus limites, as minhas faltas, para que servem as emoções, como se manifestam no corpo, como elas influenciam o que penso, a forma como atuo.
Tanta coisa que aprendi e esqueci, outras tantas que não me ensinaram e tanta falta me fazem,
Aprender o que sou, quem é este Homo Sapiens, o que o define, o que o move, como se manifesta, como se protege, porque se torna agressivo,
Tantas coisas para aprender, tantas coisas que poderia ter aprendido acerca deste maravilhoso ser,
Ser humano, o que é?
Conhecer-se a si mesmo é ser humano.

https://www.passedigital.com.br/post.jsp?p=0GEKDg

Deixe uma resposta